Posted on

As instituições financeiras desenvolvem vários tipos de empréstimos para ofertar o seu produto de forma mais estratégica para o consumidor. Muitas dessas modalidades, às vezes, nem reconhecemos como um empréstimo, mas elas são.

É importante identificar os tipos de empréstimos e compreender suas nuances e fazer escolhas certas para não se endividar mais do que preciso.

Os tipos de empréstimos

Todo dinheiro advindo de bancos e financeiras para nosso uso é caracterizado como empréstimo e, para utilizar, temos que concordar com condições contratuais e legislações. O interesse das instituições é resgatar o dinheiro acrescido de juros, e este é o custo que as pessoas e empresas pagam para ter acesso a dinheiro.

Vamos então conhecer os tipos de empréstimo.

  1. Empréstimo pessoal

Empréstimo pessoal é dinheiro vivo depositado na conta corrente, sem atrelar à compra de nenhum bem. Advém do relacionamento do cliente com o banco, que faz uma profunda análise cadastral, com consulta a CPF e até declaração de imposto de renda.  Montantes, juros e prazos variam bastante, por conta da política de cada banco. Mas é uma das modalidades de juros mais altas. É preciso fazer simulações para ver se vale a pena contratar o serviço.

  1. Cartão de crédito

Pode não parecer, mas o cartão de crédito é um tipo de empréstimo. É um crédito pré-aprovado que pode ser usado em lojas que aceitam o cartão, com o débito sendo pago na fatura do mês seguinte. O nome técnico é crédito rotativo, um valor disponibilizado que é usado periodicamente pelo titular do cartão. Os juros são altos e é um dos principais motivos do endividamento do brasileiro.

  1. Cartão de crédito

Assim como o cartão, é um crédito pré-aprovado pelo banco que fica disponível na conta bancária. Pode ser sacado em dinheiro ou usado em operações de débito. Ao final do período de aquisição, o banco automaticamente debita juros da conta corrente do usuário assim como o montante tomado emprestado. É uma das maiores taxas de juros do mercado.

  1. Crédito consignado

É um empréstimo conseguido por meio de um acordo entre empresas ou governos e bancos. Este acordo permite a concessão de crédito para aposentados, funcionários privados e públicos com o débito de parcelas feitas no contracheque. Como o dinheiro é debitado direto pela fonte pagadora, não há inadimplência, portanto os juros são mais baixos. Contudo, há o limite legal de 30% de comprometimento do salário nessa operação de crédito.

  1. Antecipação de crédito

É uma modalidade comum para quem recebe restituição de Imposto de Renda e Décimo Terceiro Salário. O banco antecipa o pagamento desses recebíveis e os debita, com juros, da conta corrente do cliente assim que são creditados. Os juros tendem a ser mais baixos nessa modalidade, já que há a garantia do pagamento.

  1. Financiamentos

São comuns para a compra de bens, como carros e imóveis. Neste caso, o bem entra na relação contratual, sendo transferida a propriedade com a quitação. É a forma comum de conseguir grandes montantes pagando parcelas dentro da realidade financeira do consumidor. Como é uma dívida de longo prazo, é necessário fazer várias simulações para saber o custo real de compra do bem.

Conclusão

As modalidades de empréstimos acima precisam ser analisadas em seus pormenores para ver qual se encaixa melhor na sua situação. É esse procedimento que garante as maiores vantagens para quem pretende contrair um débito de longo prazo.

Mas é sempre possível melhorar as condições na hora de pleitear um empréstimo. Primeiro de tudo, é preciso estar com o nome limpo e, para condições mais favoráveis de prazo de pagamento, juros e montante, um score alto pode ser o diferencial.

O Grupo Cash trabalha para que os clientes estejam nesta posição de conseguir empréstimos nas melhores condições possíveis. Entre em contato para conversarmos sobre a melhor solução para você.

Deixe uma resposta